Arquivo de março 3rd, 2008

mar 03 2008

Publicado por em Uncategorized

Ando num desânimo que só vendo!
Meu peso estacionou, é meu corpo pedindo mais dieta e exercícios… e como é difícil começar a semana com eles… pois domingo a noite tem BBB8, o que me faz dormir tarde e cansada!

Resolvi estudar um pouco o DESÂNIMO e encontrei várias coisas na net:

1) O religioso:

Que contraste! Em 1 Reis 18, Elias era forte e corajoso. Logo no próximo capítulo ele entrou em pânico e fugiu para salvar sua vida. O que acontecia? O que enfraquecia este grande profeta e fazia com que ele esquecesse seu dever? Era o desencorajamento que fazia Elias cair. Precisamos tomar cuidado porque o desânimo pode incapacitar nossa vida espiritual também.

Imediatamente após, Elias partiu para o palácio em Jezreel, onde Jezabel mandou dizer que planejava matá-lo no dia seguinte. Desanimado, Elias fugiu. Ele disse ao Senhor que queria morrer e então fugiu durante quarenta dias e noites. O desânimo nem sempre é pecaminoso, mas leva ao pecado freqüentemente. Neste caso, a depressão do profeta levou-o a esquecer seu posto de serviço, fraquejar em sua fé em Deus e, finalmente, tornar-se egoísta. Ele se queixou que era o único restante que servia ao Senhor fielmente. A vida de Elias, então, oferece um modelo útil para estudar o desencorajamento, o que o causa e como vencê-lo.

Causas

Ironicamente, um dos principais fatores que produziam o desânimo de Elias era a grande vitória que ele conseguira no Monte Carmelo contra os falsos profetas. Vitórias espirituais decisivas são momentos especialmente vulneráveis; somos mais suscetíveis nesses momentos tanto ao orgulho como ao desencorajamento. Neste caso, sem dúvida, Elias previu um reavivamento avassalador. Talvez ele esperasse que Acabe e Jezabel dealgum modo conduzissem a nação inteira ao arrependimento. Assim, o desafio continuado de Jezabel foi uma decepção. A mesma coisa pode acontecer conosco. Quando as coisas vão bem, nossas expectativas são grandes. Então vem o revés, e ficamos desencorajados.

Uma segunda coisa que causou a depressão de Elias foi seu fracasso em conseguir os resultados desejados. Depois de anos de fidelidade ao Senhor e depois da matança dos falsos profetas, nada tinha realmente mudado. Ou assim parecia. É extremamente desanimador trabalhar, trabalhar, trabalhar e mesmo assim não ver resultado positivo. Isto não é incomum. Noé, um pregador da justiça (2 Pedro 2:5), procurou salvar somente sua própria família. Jesus mesmo foi desprezado e rejeitado (Isaías 53:3; João 1:11). Muitos dos mais diligentes servos de Deus têm experimentado a frustração de ver os pequenos resultados de seu labor. Quando vemos pouco ou nenhum fruto de nossas atividades no serviço do Senhor, precisamos ser pacientes (Gálatas 6:9) e confiar em que a colheita virá (1 Coríntios 15:58).

Uma quarta causa do desencorajamento de Elias foi a comiseração de si mesmo. Ele estava sentindo pena de si mesmo. Ele sentia que estava só, que todos os outros tinham abandonado o Senhor. É difícil ficar deprimido quando se está fixo na obra do Senhor, mas quando se está pensando principalmente em si mesmo, o desânimo quase sempre acontece.
Aplicação

Os cristãos ficam, às vezes, desanimados. Nesses momentos precisamos voltar-nos para o Senhor e permitir que ele nos ajude a superar a depressão, para que não nos enfraqueçamos e nos afastemos dele. E para nós, como para Elias, as soluções são relativamente simples. Precisamos de mais confiança no Senhor, até mesmo quando não o observamos operando de modos dramáticos. Precisamos nos levantar e nos ocupar, deixando de pensar em nós mesmos. E precisamos ver o bem à volta de nós e passar mais tempo com nossos irmãos.

2) O revista de mulher desocupada (como seu eu tivesse tempo de fazer esses passos abaixo):

15 passos para mandar o desânimo embora
Hipócrates, pai da medicina, que viveu 400 anos antes da era cristã, já defendia a tese de que as emoções negativas podem desencadear vários males à saúde. Nas últimas três décadas, no entanto, os estudiosos conseguiram comprovar os benefícios de se manter o alto astral.
Os estudos mais recentes mostraram que sorrir não só evita doenças como ajuda a superá-las, pois favorece a liberação de mensageiros químicos cerebrais que ativam o sistema imunológico. Para ficar de bem com a vida, porém, é preciso que você esteja de bem consigo mesma, com a auto-estima em alta.
Ok, a correria e o estresse do dia-a-dia não contribuem em nada. Mas algumas pequenas estratégias podem ajudá-la a voltar-se mais para si mesma e, assim, sentir-se mais feliz, de alto astral e, com certeza, mais bonita.
1. Cultive o bom humor
Dê risadas. Uma boa gargalhada exercita os músculos da face, ombros, diafragma e abdômen. Estimula a respiração, a atividade cardíaca, a circulação e a oxigenação dos tecidos. Ou seja, sorrir melhora até a pele. 2. Acredite em você
Quando se sentir desanimada, lembre-se dos seus sucessos. Se pensar somente em experiências ruins, interprete-as como um aprendizado.
3. Levante da cama sem pressa
Não é saudável passar a vida correndo contra o tempo. Ao acordar, espreguice lentamente, alongando todas as partes do corpo
4. Reserve um dia só para você
Faça tudo o que sempre deixa de lado. Aplique uma máscara relaxante no rosto, pinte o cabelo, passe creme nos pés, leia aquelas revistas empilhadas.
5. Tome um banho de imersão
Mergulhar numa banheira com pétalas de rosas alivia até a alma. A receita é da psicoterapeuta Maria Mizrahi, do Magma Núcleo Terapêutico, de São Paulo. Se a idéia é relaxar, misture na água do banho uma colher (sopa) de óleo vegetal de amêndoas doces com oito gotas de óleo essencial de lavanda. No chuveiro, coloque a mistura numa esponja macia e espalhe-a pelo corpo. Para energizar, misture o óleo de amêndoas com essencial de alecrim.
6. Ande descalça na grama
Caminhar na manhã úmida, quando ainda existe orvalho, dá prazer e fortalece as funções básicas do corpo, segundo o terapeuta corporal Juracy Cançado.
7. Adote um bicho
Eles são alegres, carinhosos e companheiros. Há quem considere os animais de estimação ótimos terapeutas. Algumas pesquisas já confirmaram que cães e gatos são capazes de espantar a depressão.
8. Acaricie seu corpo
Deslize uma bucha vegetal sobre a pele,
em sentido horário. Fique mais tempo nos pontos que descobrir agradáveis ou doloridos. Assim você cria intimidade com seu corpo.
9. Pratique uma atividade física
Esporte, dança, ginástica ou alongamento. Enfim, escolha uma atividade que lhe traga prazer.
10. Respeite as suas vontades
Procure fazer cada vez mais as coisas que lhe dão prazer e aprenda a dizer não. É impossível agradar a todos o tempo inteiro.
11. Passeie na natureza
O verde é um oásis de energia. Troque de ar com as plantas e renove-se por dentro e por fora.
12. Medite
Sente-se num lugar confortável, mantenha a coluna ereta e os olhos fechados. Concentre-se na sua respiração ou na repetição de uma frase ou harmônico.
13. Faça uma automassagem
Com o polegar de uma das mãos, faça movimentos circulares na outra. Começando pelo centro até atingir a palma toda. No fim, pressione a região entre os dedos por alguns segundos.
14. Enfeite a casa com flores
De acordo com o feng shui, arte milenar chinesa, colocar flores em todos os cantos é uma boa estratégia para harmonizar a casa.
15. Agradeça tudo o que possui
Ao invés de enumerar o que lhe falta, relacione o que você possui. Provavelmente se surpreenderá com o quanto a vida tem sido generosa com você.

3) Estudo científico publicado na Folha

Desânimo prolongado pode ser sinal de distimia FÁBIO MAZZITELLI do Agora

“Tristeza não tem fim, felicidade, sim…” Esse famoso verso da bossa nova composta por Tom Jobim e Vinícius de Moraes podia ser a trilha sonora da distimia, doença definida pelos psiquiatras como transtorno de humor acompanhado de depressão leve e crônica, com dois ou mais anos de duração.

Apesar de não ser uma depressão grave, habitualmente a distimia aparece associada com outros tipos de problemas de personalidade. Os mais comuns: desânimo para fazer atividades que gostava de fazer, tristeza e irritabilidade sem causas aparentes.

Como tais características podem ser confundidas com o jeito de ser da pessoa, o doente, em geral, só toma consciência da distimia depois que outras doenças associadas se manifestam, como a depressão aguda, alterações de sono e de apetite.

“Se a pessoa tem uma tristeza que considera exagerada, se sente um extremo desânimo e isso está perturbando os acontecimentos normais do dia-a-dia, como trabalho e relações sociais, e trazendo um sofrimento psicológico significativo, uma dor grande na alma, tem de procurar uma consulta médica”, afirma o psiquiatra Miguel Roberto Jorge, chefe da disciplina de Psiquiatria Clínica da Unifesp (Universidade Federal de SP).

Para combater a “dor na alma”, o tratamento consiste, basicamente, em remédios antidepressivos acompanhados de psicoterapia.Os psiquiatras estimam que de 3% a 6% da população mundial possa ser vítima da distimia. Não há uma única causa para o aparecimento da distimia. Os fatores hereditários, como em outras doenças psiquiátricas, e psicossociais são possíveis fontes que contribuem para o surgimento.

VIXE, VOU VER SE ME ANIMO………..HAHAHAHAHHAHA

GOSTEI DA PALAVRA BÍBLICA MESMO….. acho que foi uma mensagem do Senhor para mim, porque eu tô sentindo ele me chamando!

BEIJOS E BOA SEMANA

3 coment??rios