jul 02 2010

Paris – Parte I

Publicado por ??s 12:40 em Uncategorized

Esta foi minha quarta vez a Paris. E cada vez é diferente, encantador.

Um colega de trabalho está casado há 3 anos. Vivia em crise, quase se separando. Foi para Paris no carnaval, e desde então eles vivem no maior love. Ele diz: “Se eu soubesse que Paris faria tão bem para meu casamento, teria ido antes”.

Todo mundo quer conhecer Europa, mas se tiverem que escolher uma cidade somente para conhecer, 99% escolheriam Paris. E tem justificativa. A cidade é linda, é romântica, tem estrutura para turista (quem só vem melhorando cada vez mais, falo mais sobre isso depois), come-se muito bem, revive-se grandes amores alí.

Eu vou tentar descrever na série de posts sobre esta minha última viagem não só a Paris mas outras cidades da região, tentando dizer tudo que eu gosto e acho que vale a pena. Peço que tenham paciência porque é MUITA coisa que vai render MUITOS posts, portanto, se você estiver pensando em ir para lá e quiser dicas, me manda um e-mail que eu tento te ajudar antes dos posts saírem.

E depois da série França tem a série Londres também, que é uma cidade que para mim nem é turismo mais, é volta ao passado. Morei lá quase dois anos e volto no mínimo duas vezes por ano, então não tem como não considerar minha terceira cidade “natal”, e às vezes esqueço de postar algumas dicas aqui.

Bom, voltando a Paris.

Chegar lá vocês sabem né? De preferência avião tá? 11 horinhas de vôo. Infelizmente a melhor opção ainda é TAM, eu acho uma bosta, vamos todos enlatados igual sardinha. ODEIO a TAM.

Brasileiro não precisa de visto para a Europa, mas também não é garantia que você vai entrar…. Se bem que na França ninguém nem olha o passaporte direito, afinal ninguém quer ser ilegal e tentar ganhar dinheiro lá, isso é mais comum em Londres.

Chegou, passou imigração, pegou as malas, começa a odisséia para chegar na cidade. Existem várias opções, e cada vez que vou para lá melhora mais. Desta vez eu queria pegar o supershuttle e não rolou, vou explicar porque, e acabei indo de trem+metrô (opção mais utilizada) mesmo.

Vamos lá:

1) A opção mais utilizada é o trem + metrô. Custa 9 euros. No aeroporto é só seguir as placas de trem para Paris. Super simples pois o todo mundo vai estar indo para o mesmo lugar, é a opção mais utilizada. Compra o bilhete nas máquinas (que tem em inglês) ou vai na bilheteria mesmo (mais fácil pra quem é novato), e para meu espanto, a atendente falava inglês (Paris mudou MUITO!), então é fácil comprar. Se você não fala inglês também fala “Paris centre” e faz sinal com o dedo de quantos tickets você quer. Pergunta a plataforma ou então segue o fluxo mesmo e na entrada das plataformas tem um painel que fala o nome do trem e a plataforma que ele sai. Você deve procurar por Paris Centre ou Gare du Nord. O trem que você pegar vai parar em Gare du Nord (gare em francês significa estação). Nesta estação você vai descer e pegar o metrô para chegar até seu hotel. Não precisa comprar o ticket denovo, pois o que você comprou no aeroporto serve para o metrô também. Aconselho fazer um download do mapa do metrô de Paris para saber qual linha pegar para chegar no hotel que você vai ficar, ou assim que chegar no aeroporto vai num balcão de informações e pega o mapa da cidade (imprescindível) onde tem todos os pontos turísticos e o mapa do metrô.

Porque eu não gosto desta opção: no aeroporto, para chegar na plataforma, você desce a escadaria da Penha. Quando chega na Gare du Nord, sobe a escadaria da Penha, e quando chega no metrô, muito mais escadas para subir e descer dependendo das linhas que você tiver que pegar. Então quando se tem malas pesadas, é um porre! Fora que se for uma viagem a dois, nada romântico vocês carregando mala o tempo todo né?

2) Taxi: aí é para quem pode. Sem dúvida a melhor opção, mas pensa, custa em média uns 80 euros, sem condições né?

3) Supershuttle: eu AMO a supershuttle. Em NY só uso ela. Tem em várias cidades do mundo, mas Paris não tinha. Até que de uns 2 anos para cá eles começaram a oferecer este serviço lá. Maravilha. É uma van que custa um pouco mais caro que o trem/metrô das cidades, mas te pega na porta do aeroporto e te deixa na porta do seu hotel, quer coisa mais cômoda que isso? O supershuttle de Paris custa 20 euros, mais que o dobro do metrô, mas acreditem, vale MUITO a pena. Se você não pegar e optar pela opção 1, vai lembrar de mim quando estiver carregando as malas para cima e para baixo e vai pensar que 11 euros a mais teriam valido a pena. Eu não consegui pegar o supershuttle desta vez pois em Paris ele só funciona com agendamento, nem adianta chorar (eu tentei!). Portanto, entre no site, faça a reserva, pagamento, etc (eles esperam mesmo se seu vôo atrasar muitas horas), e quando você chegar, conforto total. No site deles tem também a localização deles em cada terminal do CDG (aeroporto). Entra lá e veja: http://www.supershuttleparis.fr/en

Cuidado com os taxistas que ficam te abordando na saída do aeroporto, só pegue o taxi na rua mesmo. Muito cuidado com imigrantes em Paris, especialmente os com sotaque do Leste Europeu! Não é preconceito, mas assista “BUSCA IMPLACÁVEL” e aí você vai entender. E não é exagero, os caras são picaretas, vão querer te dar o golpe na rua, tenha cuidado.

Agora você já deve estar chegando no seu hotel.

Ih, você não sabe onde ficar? Pois é, isso é problema em Paris. Tudo depende muito do seu estilo de vida, do que quer fazer em Paris, do pique, da idade etc… Já fiquei em diversos lugares e posso dizer que para mim, hoje, nas atuais condições (não tenho mais pique de ficar batendo perna o dia todo), compensa pagar um pouco mais e ficar mais perto da Champs Élyseés. Eu não fiquei desta vez e confesso que me arrependi. Desta vez eu fiquei no mesmo lugar que fiquei na última vez, eu ADORO e super recomendo, pois é perto de quase tudo e se você tem pique consegue andar para todo lado, fora que na região do hotel tem muita infraestrutura, tipo supermercados, starbucks, MacDonalds (para usar wireless free!) e vários restaurantes.

Eu fiquei no IBIS Opera Bastille, há 3 quarteirões da praça da Bastilha, uns 20 minutos caminhando até a Notre Damme (pela beira do rio, um caminho lind, Paris se conhece a pé, nada de ficar embaixo da terra andando de metrô, além de gastar dinheiro você não vai conhecer nada!), e Bairro Latino, e dalí em 10 minutos você chega no Louvre, mais 10 minutos na praça da Concórdia, mais 10 minutos Arco do Triunfo. Veja bem, tudo isso é caminhando pela Champs Élyseés, então você nem sente, só vai admirando a paisagem, parando nas pontes maravilhosas do rio Senna, curtindo mesmo. O Hotel é esse aqui e fica há dois micro quarteirões (que vale por 1) da estação Bréguet Sabin, da linha 5 (laranjada), que sai direto lá da Gare du Nord, então se você pega trem, vale muito a pena pois não precisa fazer baldiação. Está também a 5 quarteirões da estação Bastille, da mesma linha, mas que cruza com outras linhas que pode te levar para outros lados da cidade.

Em Paris tem que ter muito cuidado com hotéis, porque eu já vi de tudo. Já fiquei num IBIS perto de Mont Marte que queria MORRER! Por isso sempre fico neste, o hotel é grande, os quartos novinhos, estrutura para todo lado. Cuidado que muito hotel em Paris não tem banheiro no quarto (como o Formula 1), então não tente ficar em algum lugar que ninguém conhece, siga recomendações. Eu já fiquei em 2 espeluncas que dava vontade de chorar, pagando 100 euros de diária. Então, olho aberto!

Como andar por Paris:

Sempre a pé se possível.

De metrô está cada vez mais fácil, pois em todas as estações agora tem máquinas que você seleciona a língua (tem espanhol e inglês), aí você escolhe o que quer comprar.  Uma passagem só de ida custa 1,70 euros. Você pode comprar o passe para o dia todo, se for usar muito (duvido, pois as coisas são muito perto), aí compensa. E a máquina deixa pagar com cartão de crédito. Perfeito, porque nas estações dificilmente tem bilheteria, e quando tem não falam inglês, então a máquina salvou os brazucas! As estações de metrô em Paris tem uma distância média de 3 a 5 quarteirões uma da outra, então mesmo que no mapa pareça longe, ANDE!

Tenha sempre aquele mapa da cidade que eu disse para você pegar no aeroporto. Ele tem até os nomes das ruas, e assim você consegue caminhar facilmente!

E eu aqui escrevendo este post e o Brasil perdendo de 2×1 para a Holanda faltando menos de 10 minutos pro final. ODEIO a seleção brasileira, é só a gente acreditar que eles vão lá e fodem. Sem clima para continuar, volto depois.

2 coment??rios

2 comentários to “Paris – Parte I”

  1. flaviaem 13 ago 2010 at 14:33

    Obrigada, depois disso vou pegar o supershuttle. A gente sempre tem medo de liberar informação de cartão de crédito. Mais vai lá!!Obrigada!

  2. monica f. moreteem 21 set 2010 at 12:14

    cynthia vou pela segundavez a paris , só que desta vez vou com meu marido já somos velhos de guerra 30 anos de casório, ficarei no ibis bastile, portanto seu depoimento est6á sendo muito bom , beijo obrigada

Trackback URI | Comments RSS

Comente