set 11 2012

Amamentação – minha experiência

Publicado por ??s 23:09 em Filhos,Gravidez

Amamentar é tudo de bom, tem coisa melhor não. Fui bem sucedida? Não. Amamentei? Sim.

Amamentar é sorte. Cheguei a essa conclusão. Além de MUITA FORÇA DE VONTADE da mãe. Mas precisa de sorte. Sorte de ter muito leite, de ter bico, do bebê conseguir mamar e de ter as pessoas certas para te ajudar no início. E nem todo mundo tem isso. Então amiguinha, não adianta mil preparativos somente, você tem que ter sorte. E eu não tive.

Vamos lá.
Sarah nasceu sábado 13:15. Antes das 14h, após me costurarem, trouxeram ela para mamar, alí no centro cirúrgico mesmo. Ela mamou direitinho, pegou o bico, tudo certo. Fui para o quarto. Lá pelas 17h veio uma enfermeira anja (tive sorte até aí), que era da UTI neonatal e tinha muita experiência pois os prematuros têm muita dificuldade de mamar. Ela elogiou meu bico (e eu mega preocupada de não ter bico), teve a maior paciência do mundo com a Sarah que não estava conseguindo mamar muito bem. Ela voltou antes das 20h e foi assim novamente, mas ela me incentivando, posicionando a Sarah, me ensinando a fazer um bico com o seio para facilitar a pega, um doce. Aí a sorte virou e acabou o plantão dessa anja. E veio a demônia. Uma enfermeira do plantão da madrugada, sem paciência e sem experiência, Sarah tentou mamar uns 2 minutos, não conseguindo direito (porra, eles estão aprendendo ainda, ai se eu soubesse disso na hora). Aí ela correu no berçário e voltou com o ANTI-CRISTO, mais conhecido como BICO DE SILICONE.

Parentesis: quer amamentar? FIQUE LONGE DO BICO DE SILICONE.

Aí o bico de silicone facilitou, Sarah conseguiu pegar e começou a mamar. E as 2 próximas mamadas foram com o bico de silicone. Naquele momento eu já tava convencida que não tinha bico algum por isso precisava da merda do bico de silicone, tava até feliz que ele existia e me permitia amamentar, mal sabia que ele seria a razão do meu quase fracasso na amamentação.

Quando foi umas 4h da madruga, entra a pediatra (super delicada), acende a luz e fala: “a glicemia da sua filha está baixa, ela pode ter sérios problemas, precisamos entrar com o complemento”. Eu nem pensei duas vezes, pode tuxar mamadeira na menina. E foi assim durante todo o domingo (segundo dia de vida dela), ela mamava no peito (com o bico) e depois complemento. No terceiro dia (segunda) meu leite desceu horrores então tiramos o complemento, seguimos só no peito – SEMPRE com o bico de silicone, e a glicemia normalizou.

Vim embora da maternidade, tudo parecia lindo, tinha leite de jorrar, as conchas ficavam lotadas. 4 litros de água por dia, às vezes até 5 litros, chá da mamãe, soninho, relax, muita produção, delícia. Tava convencida que não tinha bico, que iria usar para sempre o bico de silicone. E assim seguimos.

1 semana depois do nascimento dela (na verdade 6 dias) fomos na pediatra e ela não estava ganhando o mínimo de peso por dia. A pediatra mandou complementar as mamadas com mamadeira de leite do peito (tirado com a bomba). Eu dava 40 ml de leite do peito após ela mamar num seio cerca de 30 a 40 minutos, sempre com o bico de silicone. Esse foi meu segundo erro, o primeiro, a porra do bico. Eu deveria ter usado o Mama Tutti, aquela sondinha, ou melhor, deveria ter me livrado do bico de silicone, mas isso eu só descobri depois, infelizmente.

Depois de 1 semana nesse esquema, o peso dela normalizou, e pediatra mandou continuar com esse esquema. E eu continuei, achando que tava funcionando. E tava, ela ganhava peso, mas só por causa da mamadeira.

Pouco antes dela completar 1 mês, era 29 de maio, resolvi ir no Banco de Leite da Faculdade Paulista de Medicina. E taí o segredo de amamentação bem sucedida: procure o banco de leite de sua cidade. Logo na primeira semana, ou grupos de amamentação como o Matrice em SP. Várias amigas que tiveram problemas foram no banco de leite e resolveram seus problemas.

Chegando lá a enfermeira examinou a minha mama, viu que eu tinha muito leite, falou que meu bico era ótimo e que eu não precisava do bico de silicone coisa nenhuma. Me ensinou a preparar a mama para a amamentação, toda vez que fosse dar de mamar. Primeiro massagear com movimentos circulares, em seguida tirar um pouco do leite, com isso fica mais fácil a sucção para o bebê, evita de machucar os mamilos, e o melhor de tudo, ordenhando com os dedos (não pode ser com a bomba) um pouco, o bico vai formando para facilitar a pega.

Até esse dia eu sempre tentava amamentar sem o bico mas a Sarah não pegava de jeito nenhum, ficava irritada. Era só colocar o bico devolta e tudo se resolvia. Ou seja, eu só tinha sentindo minha filha mamando no meu peito diretamente no centro cirúrgico. A enfermeira tirou um pouco de leite, foi até bastante, uns 5 minutos, e colocou a Sarah no peito (ela estava chorando de fome, isso é importante, bebê tem que estar com fome!!) e a bichinha sugou sugou sugou com a maior facilidade, coisa mais linda, mais deliciosa. E eu caí no choro, já tava com depressão, no auge dela, foi muito emocionante.

Saí de lá feliz da vida, joguei o bico de silicone fora e disse: “agora é rumo ao sucesso!”. Tolinha. Tirei a mamadeira. Isso era quinta-feira. E todo aquele sofrimento de peito rachado, bico dolorido que eu não tive na maternidade pois usava o bico, fui ter um mês depois. Bico rachou, sofri nos dias seguintes. Na quarta-feira da outra semana, quase uma semana só mamando no peito, sem mamadeira, essa menina, que sempre dormiu bem, começou a chorar sem parar, dormir pouco. E eu nesse meio tempo piorei muito da depressão e fui para casa da minha mãe. Não consegui perceber que era FOME, achava que era cólica…. Na quinta (uma semana depois), era feriado de Corpus Christis e marido chegou na casa da minha mãe, eu tava um frangalho e só chorava por causa da depressão, então ele me levou para jantar fora e deixamos Sarah com minha mãe. No meio do jantar ela me liga e diz que ela tinha acordado 1h depois de mamar, mamado todo o leite que eu tinha deixado em caso de emergência (já que voltaria para a próxima mamada) e que estava chorando com cólica. Estávamos pagando a conta então voltamos para casa. No caminho eu só me lembrava da senhora que trabalha para mim, mulher idosa, da roça, do interior de Minas, cheia de crendices, me dizendo: “Criança bem alimentada dorme bem, se ela tá dormindo é porque tá mamando direito.”. Nussa, na hora me veio uma luz: essa menina tá com fome. Meu leite tava pouco nessa semana, acho que era a depressão, eu chorava sem parar o dia todo, deve ter influenciado na produção, fui tirar e não saiu muito, 30 ml, dei e ela tomou tudo, tinha acabado de tomar 60 ml. Isso era MUITO para ela, mas parecia que ela queria mais. Eram 23h, liguei para a pediatra e ela falou para eu tirar mais leite e dar, mas eu estava sem condições, eu tinha vontade de morrer, não queria nem ver a Sarah (leiam o post sobre a depressão pós parto), então pedi pro marido sair e comprar fórmula. Ela mamou bastante, dormiu em seguida (parecia que só faltava aquilo para ela adormecer) e só foi acordar no outro dia. Realmente era fome.

A enfermeira do banco de leite me informou que bico de silicone é uma droga pois o bebê engole muita saliva ao invés de sugar o leite, e a mãe tem a impressão que ele está mamando. O bico só deve ser usado quando o peito está muito machucado mas ainda assim de vez em quando. E depois de 1 mês mamando com o bico, a Sarah não sabia sugar sem ele. Ela pegava o peito, sugava, mas não mamava direito. Por isso a fome.

E eu, naquele momento doente, rejeitando ela, não queria que além de tudo ela sentisse fome. Então fomos de peito seguido de mamadeira de Aptamil. E assim foi até o segundo mês. Até que percebi que ela mamava cada vez menos tempo no peito, de 20 minutos caiu para 10 minutos. Tudo bem que a criança vai crescendo e aprendendo a mamar mais rápido, mas eu sentia que era preguiça mesmo, pois ela sabia que vinha a mamadeira depois. Aí resolvi ser xiita e tirei a mamadeira. Ela, que tinha um rotina estruturada e horários certinhos, começou a mamar a hora que queria. Estabeleci livre demanda. E assim foi, ela começou a mamar em intervalos menores. E eu feliz, até que um dia ela mamou no peito e coloquei no balancinho para dormir. Ela chorou bem de leve, uma manha delicada. Dei mais peito, ela mamou mais um pouco, coloquei devolta no balancinho, ela fechou os olhos, achei que estava dormindo, e de repente, ainda de olhos fechados, ela deu um chorinho baixinho, bem sentido, com direito a beicinho. Ela já estava dormindo mal fazia 2 dias, e aquele choro não era manhã, era fome. Resolvi fazer o teste, dei mamadeira de aptamil, uma pequena, ela mamou tudo, fiz outra, ela mamou tudo, fiz mais uma, ela mamou tudo e no finalzinho, antes de acabar, adormeceu e só acordou no outro dia (eram 17h). Pronto, a confirmação de que não estava dando certo.

E nesse dia eu percebi que eu precisava dar para a minha filha o que ela precisava e não o que eu precisava. Continuei com peito + mamadeira, mas resolvi intercalar. Uma mamada peito, outra mamada mamadeira. E assim fomos. Era nítido que quando ela tomava mamadeira, dormia muito mais (leite mais gordo). Mas pra mim assim tava bom. E foi assim durante o segundo mês, até ela completar 3 meses.

Aí ela começou a mamar cada vez menos, 5 minutos no máximo, e a fazer festa quando via a mamadeira. Mas continuei insistindo sempre com o peito nos horários que não tinha tanto impacto no sono dela. E hoje, com 4 meses, estou num dilema se tiro ou não o peito, porque ela não fica mais de 3 minutos mamando….. Eu estou misturando leite materno na mamadeira de Aptamil, para ela continuar tomando. Alguém sabe se pode? Mas ela está mamando tão pouco que não sei mais o que fazer. Tem horas que ela nem quer mamar no peito, se joga para trás, chora, me empurra. Hoje a rotina dela está assim:

Acorda 6:30, mama no peito uns 3 a 4 minutos.
Fica brincando, por volta das 8 dou mamadeira de leite do peito (90 ml), para ela não dormir muito
Ela dorme das 8:30 até umas 9:40.
Dou banho, troco, e dou mamadeira de aptamil, 150 ml, ela toma com gosto pq é nítido que tá com fome.
Dorme umas 11:30 e acorda as 14:30/15 horas. Assim que ela dorme saio para trabalhar. No trabalho tiro leite por volta das 13h.
Como estou no trabalho, ela toma uma mamadeira de leite do peito (120 ml) quando acorda, para estar com fome na hora que eu chegar.
Chego por volta das 16:30, dou o peito la pelas 17:15, ela mama 3 a 4 minutos máximo, dou mais 60 ml de mamadeira com leite do peito.
Ela dorme das 17:30 até às 18:30.
Brincamos até umas 19:15, troco, dou mamadeira de Aptamil (120 a 150 ml), ela dorme 20h e acorda somente no outro dia religiosamente às 6:30.
Antes ela acordava às 4 da manhã para mamar, eu dava peito, ela mamava mais, cerca de 10 minutos, mas há 3 semanas que ela não acorda mais (juro que para a minha tristeza, pois adorava esses 10 minutos em que ela mamava com gosto e adormecia no meu peito).

O que comecei a fazer desde ontem é misturar nas mamadeiras de Aptamil, 1/4 de leite materno. Por exemplo se faço 120 ml, coloco 90 de aptamil e 30 de leite do peito. E sigo tirando com a bomba, e jogando fora, para a produção não parar. Mas confesso que tô sem saber o que fazer…. semana que vem tem pediatra, vamos ver o que ela fala.

Mas olha, as defensoras da amamentação podem cair de pau em mim, mas que leite artificial alimenta mais que leite materno, isso é fato. Tentei já dar mamadeiras grandes de leite materno para ela, substituindo o aptamil, mas ela ficava com fome mesmo assim. Enfim, não estou dizendo que é melhor dar leite artificial – porque não é – só estou dizendo que ele é um leite mais gordo.

Eu fico feliz que consegui amamentar, ainda que pouco, até os 4 meses dela. Vou manter o leite materno, ainda que misturado na mamadeira ou em uma mamadeira própria (apesar dela não gostar do gosto e cuspir a mamadeira quando tem só leite materno) até o quinto mês, quando ela deve começar com as papinhas de frutas.

Estou tão perdida….. e tão arrependida de não ter procurado ajuda nos primeiros dias em casa. Amiga que quer amamentar, se posso te dar um conselho, esse conselho seria procurar ajuda logo na primeira semana de vida do bebê caso ele não esteja ganhando peso direitinho. Não introduza mamadeira, leite artificial (use a sonda Mama Tutti se necessário), bico de silicone. PROCURE AJUDA, essa é a solução.

Amamentar é maravilhoso, e quando maior o bebê melhor, porque eles começam a interagir, fazer carinho na mama enquanto mama, dar sorrisinhos, olhar nos nossos olhos. Sempre achei bizarro mulher que amamenta criança de mais de 7/8 meses de idade, e hoje eu pago a minha língua, porque se pudesse, amamentaria PARA SEMPRE. Não tem nada tão especial.

Esse momento tão lindo nas fotos abaixo vai ficar para sempre na minha memória, mas também vai ficar a sensação de fracasso. Espero ter outra história para contar no próximo filho.

Um coment??rio

Um comentário to “Amamentação – minha experiência”

  1. Rosemeriem 12 set 2012 at 16:44

    Olá Cynthia…
    Acompanho seu blog a mais ou menos 2 anos. Descobri vc quando procura um exemplo de retrospectiva para casamento… desde então não consigo ficar sem te acompanhar. Por coincidencia vc ficou grávida e eu também…rs Meu baby está com 6 meses, Rafael. Me vejo em muitos posts que faz… e quero deixar registrado que sou sua fã… Vc escreve muito bem e consegue transmitir apoio a quem lê.
    A Sarah é uma princesa… e tenha certeza que somos privilegiadas em ser mães…

    Amamentei até o 5 mes.. sempre complementando com NAN desde a saida do Rafa da maternidade… tive um grande aprendizado no banco de leite do hospital são luis.. pois ele ficou na UTI Neo por 1 semana… resumo da historia.. foi duro, dolorido ver o pequeno na UTI, mas foi a MAIOR escola que poderia ter em minha vida… lá aprendi tudo que inicialmente precisava saber sobre o pequeno.. e a passagem no banco de leite me ensinou a amamentar… a persistir pois tinha pouco leite…

    Ahh… e para completar minha admiração por vc também sou amante de bichos…. tenho um Scooby em casa e nunca deixei ele de lado por conta do nascimento do Rafael.

    Um beijo grande a vcs

Trackback URI | Comments RSS

Comente