Arquivo da Categoria 'Casamento'

ago 23 2012

4 anos!

Publicado por em Casamento

E hoje fazemos 4 anos de casados.

E defino o que sinto em uma frase apenas: tá tão melhor hoje!

Lembram de 4 anos atrás ? Clica aqui!

20120823-194650.jpg

Nenhum coment??rio

ago 25 2011

3 anos

Publicado por em Casamento,Comemorações

Dois dias atrás completei 3 anos de casada.

Eu acho que dizer que está casada ou não não faz diferença para quem já morava juntos há muitos anos, mas segundo a minha terapeuta (sim estou fazendo terapia e terrivelmente assustada a cada sessão por descobrir como sou pirada!) faz diferença sim o tal do “título”.

Se faz diferença ou não eu não sei.
O que eu sei e que tem prós e contras, com certeza mais prós (senão a taxa de divórcio seria maior que a de casamento!).
É difícil, muito muito difícil, mas como é BOM!

Gente, hipocrisia aqui não rola. Nós quebramos o pau. Tem dia que quero ser solteira e cair na balada. Tem dias que ele provavelmente se sente assim também. Tem dias que sobe aquele sangue e você tem vontade de sufocar a pessoa enquanto ela ronca ao seu lado como se não tivesse feito nada para você.

Mas tem tantos dias bons nénaum?
E quando você chega em casa e fala “oi”, ele olha para você e já diz na lata “o que aconteceu?”.
Gentem, ter alguém que te conhece pela entonação da sua voz não é tudibom?
Alguém que já sabe o que você gosta e não gosta, quer e não quer, faz e não faz, topa ou não topa (rs), tem coisa melhor?

Nós nos entendemos, somos companheiros, cúmplices, e o mais importante, ainda nos amamos. Enquanto tiver amor, respeito e sonhos, o caminho segue traçado.

Mas que é difícil é, tem dias viu, que você tem que se segurar para não imitar Michael Douglas no filme “Um dia de fúria”!!! kkkk

Vocês lembram de 3 anos atrás? Não, então clica aqui.

PS: embarcamos hoje para o Chile, serão só 2 dias para dar uma namoradinha né?

Nenhum coment??rio

ago 23 2010

2 anos

É meu amor, passaram-se 2 anos.
E quantas vezes nos perguntamos o que raios estamos fazendo juntos? rs, pois é, casamento não é fácil, ter diferentes criações, culturas, etc também não é fácil. Mas é tão bom né?
Sei que nesse nosso relacionamento tem muita troca, das duas partes, mas sei também que tem muita coisa a melhorar. Mais da minha parte do que da sua…. porque teu coração tem amor demais, paz demais, paciência demais. O meu, ah o meu coração…. cheio de impaciência, ânsias, exigências. Tem que ter paciência comigo, que a vida me ensinou tudo errado. Eu cobro e não elogio. Eu cobro denovo e exijo exijo e exijo mais. Eu busco a perfeição. Não gosto de ser assim não, você sabe. Mas não mudo assim tão rápido.
E se depois de 2 anos ou quase 8 anos juntos você ainda tem amor por mim, é porque sabe o tempo do meu coração. Vê potencial em mim. É o meu agente de mudança.
Nós podemos não sair mais tanto, não se amar mais tanto, não ter aquela paixão cheia de desejo. Mas poxa, pra que tudo isso? Se tudo isso normalmente vem junto com indecisão, incerteza e insegurança? Eu não trocaria o que temos, o companheirismo, o entender o que se passa pelo tom de voz, os planos e mais planos……
Foram dois anos em que não vivemos muito né amor? Foi construção e mais construção. Primeiro pagar a dívida do casamento. Depois procurar apartamento. Morar 8 meses num flat (Jesuis!!!). Se endividar muito. Reforma. Brigas e mais brigas. Mais dívidas. Mudança. Sem lazer por causa das dívidas há mais de 7 meses. Um cachorro, que virou filho. Por fim, foram 2 anos de construção. Estamos prontinhos. Agora só falta nosso pimpolho, que Deus vai mandar no tempo dele.

Eu te amo, você sabe o quanto. E vou sempre buscar ser a esposa ideal para você. Só não esqueça nunca de me mostrar o caminho.

Lembra de 2 anos atrás?

6 coment??rios

nov 12 2009

A Sogra (da mulher, claro!)

Publicado por em Casamento,Dia a Dia,Família

Senta que lá vem a história.

Acho que o grande problema da mulher X sogra vem do relacionamento mãe X filho. Sim caros leitores do sexo masculino, homem não tem problema com sogra, pois por mais inconveniente que elas sejam, as esposas sabem dar limites e escolher prioridades, diferente de vocês (salvo algumas exceções, claro).

Mas enfim, vocês mulheres, em sua grande maioria, foram educadas como eu, ou seja, para serem mulheres. Vocês que têm irmãos sabem que a criação é diferente entre os sexos, estou cansada de ver isso por aí, e quer a prova?

– quantas vezes uma mãe pede para o seu filho checar no forno se o bolo já assou/corou?

– quantas vezes um filho ajudou a escolher o feijão e arroz?

– quantas vezes ele arrumou a cama dele?

– quando foi que uma mãe ensinou a um homem que ele tem que lavar RELIGIOSAMENTE a cueca dele no chuveiro durante o banho?

– quando foi que uma mãe implicou com o jeito que o filho se veste, se está aparecendo o peitoral dele, se o short está curto?

– qual o percentual de mães que ficam preocupadas se o filho vai virar um galinha ou se vai ficar falado no bairro?

– quantas mães pedem para um filho colocar a mesa?

– quantas mães levam o filho na feira e até dão de presente um mini-carrinho de feira para ele carregar?

– quantas mães compram um mini rodo e uma mini vassoura para o filho brincar?

– quantas mães falam para o filho: “Você precisa se comportar, já virou um MOCINHO!”?

São só exemplos do que a maioria das meninas vivenciam durante sua criação (maioria ta, sempre temos exceções). Não estou dizendo que somos melhores porque passamos por tudo isso mas eles não, não é nada disso.

Vou explicar.

Você, mulher, tem mais conflitos com a sua mãe do que com o seu pai. Por quê? Porque seu pai é o herói não é não? Poxa, deu duro na vida, sempre trabalhando enquanto sua mãe ficava em casa SÓ cuidando dos filhos (impressionante quem pensa assim!!), homem sofrido, um coitado. E sabe por que toda mulher idolatra o pai? Pelo mesmo motivo que o filho idolatra a mãe: não são perseguidos por elas!!!!

Sabe todas as coisas acima entre outras mais que as mães não fazem os filhos passar? Pois é, elas fazem com as filhas, sempre pegando no pé, fazendo de tudo para transformá-las na mulher ideal. E você acha que os homens se livram disso? Que nada, eles têm os pais para persegui-los. Sabe a listinha acima das mulheres? Tem a dos homens também:

– pode parar de chorar, homem que é homem não chora

– pega isso direito moleque, nem parece homem;

– se apanhar na rua apanha em casa

– me ajuda a lavar o carro

– troca a lâmpada, a resistência do chuveiro, o bujão de gás, o pneu do carro

– vem aqui que vou te ensinar a furar a parede, etc

Eles também sofrem nas mãos dos pais, que buscam transformá-los em homens de verdade (seja lá o que isso significa).

Não estou falando mal de pais e mães, de jeito algum, eu também vou fazer (quase) tudo que está acima. Eles têm o papel mais importante na nossa educação e formação do que qualquer outra pessoa, estão certos em querer nos ensinar tudo que sabemos. O ponto aqui é que a mãe educa a filha (já viu pai ensinando menina a limpar a perereca?) e o pai educa o filho, na grande maioria das coisas relacionadas às funções do sexo. E isso obviamente acaba gerando atrito entre ambos. Nós mulheres sempre implicamos mais com a mãe, enquanto com os homens é o contrário.

E é aí que entra o meu e o problema de muitas outras mulheres. Essa relação de amor e de quase divindade que a maioria dos homens tem com a própria mãe é de extrema dificuldade de compreensão para uma mulher. Ainda mais uma mulher apaixonada que vive em busca de sempre ser o centro das atenções do homem amado, o centro das preferências dele, ou ainda mais, PRIORIDADE na vida dele.

E no fundo, no nosso íntimo, sabemos que somos. Mas não temos o laço de sangue, aquele que permite a pessoa pisar na bola com você e você continuar amando-a mesmo assim. E por não termos laços de sangue e convivermos 24 horas, temos muitos atritos que são gerados pela diferença de criação, cultura, crença, etc. E esses atritos geram discussões, desentendimentos, que geram críticas, e críticas meu bem, essas ninguém gosta de ouvir, ainda mais quando vem da pessoa amada.

Nós mulheres, observando a relação mãe-filho (aquela quase divina sabe? Entre um ser mortal e uma santa?), onde o perdão é sempre presente, onde as críticas são raras e onde não existem críticas existe admiração, acabamos sentindo como se não fossemos prioridade. E isso dói. Ou melhor, isso irrita. Irrita que você faz de tudo por aquela pessoa, que apesar dos seus defeitos você dá o seu melhor, trabalha, cuida da casa, cuida dele, das coisas dele, está sempre pensando no que pode fazer para agradar, sua comida favorita, a revista que ele gosta, aquele DVD que ele com certeza vai gostar, o jantarzinho, a viagem, etc…. milhões de coisas que você está sempre buscando fazer para ele, e no primeiro deslize, búm, enxurradinha de críticas… porque você isso, você aquilo, etc….

Porque eles nunca fazem isso com a mãe? A única conclusão que eu consegui chegar foi esse relacionamento mãe-filho. E essa relação cria ciúmes, indignação na maioria das mulheres. Porque a mãe deles pode ser folgada, se intrometer, encher o saco, te criticar e tudo mais, que eles RELEVAM, eles aceitam, para que vou brigar com a minha mãe, não vai adiantar nada… Mas brigar comigo adianta né?

É incrível como a maioria dos relacionamentos entre sogra e nora começam bem. Elas se gostam, tem diferenças mas se gostam. Não existe ódio. E com o passar do tempo vai nascendo essa repulsa, essa impaciência, essa intolerância. E olha, não sou guru, psicóloga nem nada, mas todas as mulheres que eu converso e que tem atrito com a sogra sempre dizem a mesma coisa sobre como o filho não toma o partido delas. É ciúmes gente. Eu tenho, e muito, e assumo. Tem gente que não assume mas tem também. Quem não teria de um relacionamento assim? Quem é que não quer ser idolatrada, amada, sempre perdoada e nunca criticada? Tá eu sei, eles nos amam também, mas é amor diferente né? Poxa mas homens, prestem atenção, essa diferença é que gera o atrito. Você faz diferença entre seus filhos? Então porque faria entre as mulheres da sua vida? (acaba comigo ter que dividir esse posto, rs!).

Sei que é difícil para eles administrarem essas diferenças, que mãe é mãe, esposa é esposa. Mas tentem não fazer tanta diferença. Ninguém sai ganhando se a sua esposa não gostar da sua mãe e vice-versa, e acredite, você tem muita responsabilidade sobre isso.

Quer algumas dicas?

– sua mulher tem SEMPRE razão, sua mãe está SEMPRE errada entendeu?

– na mesa do almoço, seja HOMEM e assim que a sua esposa servir a sobremesa feita por ela, olhe para sua mãe e diga: “Nossa mãe, você nunca fez uma sobremesa dessa, ainda bem que eu me casei”.

– sempre que sua mãe se meter em qualquer coisa da sua vida, der qualquer palpite, você diz que JÁ CORDOU O CORDÃO UMBILICAL HÁ MUITO TEMPO ATRÁS e que ela não tem que se meter em nada da sua vida.

– NUNCA, em hipótese alguma, mencione algo de bom, positivo, carinhoso, estimulante (ou qualquer outro adjetivo positivo) que sua mãe tenha feito na vida. Lembre-se que a única coisa boa que ela fez foi te parir, nem educar direito ela conseguiu.

– se quiser ganhar um ponto extra com a sua esposa, critique atitudes da sua mãe. As esposas GOZAM mais com as críticas que você faz à sua mãe do que com sua performance na cama, acredite.

– jamais, jamais faça visitas à casa de sua mãe algo que vire rotina, por exemplo, todo sábado, todo almoço de domingo, toda semana, todo mês, etc.

– ligue para a sua mãe do seu trabalho, e não precisa comentar o que conversou com ela.

-JAMAIS demonstre que os problemas que a sua mãe tem estão interferindo no seu casamento, na sua performance, no seu ânimo, etc. Já temos que dividir vocês com o stress do trabalho, futebol, amigos, etc, já é o suficiente, sua mãe que resolva os problemas dela.

– nunca permita que ela critique a sua esposa, mesmo quando esta não esteja presente. Mostre que você a ama mais do que tudo (inclusive sua mãe) e não vai aceitar críticas a ela.

– e o mais importante: faça todos os itens acima e outros mais com convicção de que isso tudo é o correto, sem arrependimento, sem dor no coração. Você só pode sofrer por sua esposa, e nada mais, entendido?

Olha gente, sonho em ser mãe, nunca pensei que seriam meninas, só meninos, pois sempre tive problemas com sogras e agora não é diferente, e depois desse post, com certeza vou pagar bem caro e Deus vai me dar um monte de marmanjo com um monte de nora loira burra  e preguiçosa, e pior, que não sabe cozinhar nem cuidar das camisas deles. O melhor de tudo será que eles sempre vão me idolatrar, me amar, nunca vão me questionar. Esse dia há de chegar!

Conclusão: não tem solução, o jeito é respirar fundo e agüentar. Nada nessa vida é para sempre, nem sogra. Então, paciência!

11 coment??rios

out 21 2009

Batalhas da vida a dois

Publicado por em Casamento,Dia a Dia,Romance

Independente de ser casados no papel ou não, quando um casal decide realmente ser um casal, isto é, dividir uma vida juntos, começa alí uma infinidade de batalhas que eles vão ter que lutar.

Eu acredito que um casal só é casal mesmo quando mora junto. Esse negócio de casamento (ou namoro) em que cada um tem sua casa num rola muito no meu conceito. Casal, no sentido “duas metades” sobrevivendo juntos, tem que dividir o mesmo teto. E só assim se prova casal.

Tudo começa assim: primeiro você abre mão de alguns programas de TV, de comer comida que para você é uma delícia e ele nunca ouviu falar e já faz cara feia, de dormir até tarde (ou cedo), de ter mais espaço no armário, de ter tudo no seu lugar o tempo todo (homem tem a proeza de pegar um coisa num canto e deixar em outro, nunca devolve ao mesmo lugar!!), etc. Mas até aí tudo bem, tudo lindo, a brincadeira de casinha é uma delícia, você pode estar com ele o tempo todo, namorarem, jantar juntinhos, dar risadas, etc…

No segundo momento você começa a se irritar com coisas pequenas: a cueca que ele não tem capacidade de jogar no cesto ao lado do canto onde ele deixa jogado, você ter que acordar mais cedo para tomar banho por causa da divisão do banheiro e horário de trabalho de ambos, pelo copo molhado sem apoio na sua mesa cara, e por aí vai. Mas ainda tá tudo ótimo, vocês ainda fazem sexo com frequência, sem agendamento, no calor da coisa, ainda dão risada de tudo, fazem mil programas com os amigos, e dinheiro e contas e/ou filhos não são seu único assunto.

Aí meu bem, vem a terceira fase e a fase de consolidação de um relacionamento. Se você chegou aqui, pronto tá no ápice. Aqui você começa a implicar com qualquer coisa pequena (pequena meeessssmo), por ele não ajudar tanto, pela família dele que você não entende como um dia foi capaz de gostar, pela zona na casa, pelo excesso (ou falta!) de trabalho dele (ou sua), pela falta de perspectiva ou pela falta de planejamento de vida dele (delEEEE, porque só homem não se programa, rs!!), etc… A lista é infinita. Aqui vocês já não se pegam mais no calor da coisa. Sexo? Só combinado, mediante acordo de ambas as partes. Dor de cabeça é uma constante, dorme junto na cama. Vocês dois sabem de cor e salteado o saldo no Banco. Vocês só falam das contas a pagar, das coisas que faltam para terminar a decoração da casa, dos eventos chatos de família, dos eventos profissionais, do MBA, da empregada que faltou e ainda pediu aumento, do óleo do motor do carro que precisa ser trocado, da babá que fala pralavrão para o filho, da mensalidade da escolinha, entre outras mil.

Pausa – já se encaixou em algo? – Despausa (by LuBrasil)

Parece ruim né? E é. Vocês nem lembram mais como é ter ressaca das brabas e não lembrar de mais nada no dia seguinte, tem medo de fazer uma ultrapassagem perigosa, medo de avião, dirigir depois de 3 chops nem pensar (e sem considerar lei Seca), ir a um bar com os colegas de trabalho e quando for 11 da noite todos os solteiros empolgarem para uma balada a primeira coisa que você lembra é que amanhã é dia de trabalho e não vai levantar (e esquece quantas vezes você fez isso na vida), você nunca mais ouviu uma história caliente de uma amiga sua (estão todas casadas e as ainda solteiras reclamam que não tem homem na praça), final de semana para vocês significa dormir sem despertador (quando não se tem filhos) e não mais diversão garantida.

Pois é, quer o diagnóstico?

Você cresceu.

Virou sua mãe.

Pois é, eu também.

Parece chato né?

Pensou que nunca chegaria aqui né?

Achou que seria mais moderninha, que os tempos são outros e que uma pitada de sex shop, livros, viagens não te deixariam cair na rotina né?

Pois é. Pois é.

Sabe porque temos que passar por isso?

Porque apesar de envelhecermos e tudo só crescer (barriga, culote, rugas, cabelos brancos e infinidade de responsabilidades!!!), é BOM DEMAIS estar aqui.

Apesar de focarmos mais nas responsabilidades, de nosso nível de paciência praticamente estar próximo de zero, de você não dormir pensando naquela reunião do dia seguinte, por você passear no shopping e ficar louca por um jogo de panelas ou lençol, de não lembrar a última vez em que riu de fazer a barriga doer, etc… você é realizada.

Sim, esta palavrinha não existe depois de passar pelo purgatório (aquele descrito em três fases aí em cima!). Isso acontece na sua vida pessoal e também na profissional (lembrou da sua época de estagiária e recém contratada?). Mas é tããããõoooo bom chegar até aqui.

Concordo que o relacionamento fica menos divertido. Mas fica tão mais estável. Tão mais profundo. Vocês se conhecem pelo olhar, pelo OI que cada um dá ao chegar do trabalho no fim do dia.

Ele: “Oi amor tudo bem?”

Ela: “Tudo!”

Ele: “O que foi? O que você tem?

Ela: ” Nada”.

Pronto. Ele te conhece e pelo seu nada sabe sim que tem alguma coisa. Isso não é maravilhoso? Isso não é o ápice? Uma pessoa te conhecer tão bem quanto você? Ter certeza sobre a sua pessoa?

Relacionamento fica maduro e assim fica porque realmente ele amadurece. Ficamos velhos (não fisicamente) e cheios de responsabilidades mas temos na vida a plenitude, a oportunidade de se sentir completo. Você não está sozinho. E não estar sozinho não significa só ter um namorado, marido. Significa ter um companheiro, alguém que caminha com você, alguém que está alí do seu lado, para te apoiar quando você cair.

E para isso, não tem outra forma, a não ser passar por todas as fases acima. E sair delas fortalecidos, amando muito mais.

O amadurecimento de um relacionamento dói, traz muitas responsabilidades, requer kilos de paciência, conversas, respeito, e sempre deixa saudades do tempo em que tudo era tão mais fácil.

Mas é tão bom chegar aqui. Acredite.

Este post foi inspirado em três acontecimentos atuais da minha vida.

O primeiro, eu e meu marido sobrevivermos a nossa reforma, que com certeza foi o maior desafio que enfrentamos como companheiros (até agora!) e que abalou e muito nosso relacionamento. Descobrimos que a vida conforme ela passa vai trazendo mais e mais problemas, responsabilidades (sem falar nos filhos), pesos, dores e saudades, mas também te aproxima cada vez mais daqueles que você ama.

 O segundo, o casamento daqui a 10 dias de uma amiga romântica assumida, que há um ano me dizia no meu casamento que o sonho dela era um dia também casar com o verdadeiro companheiro, e nem imaginava que em tão pouco tempo concretizaria o sonho dela. Que ainda tem que viver algumas das fases acima mas que me dá tanta tranquilidade que vai passar facinho por tudo isso. Que ainda existem casais que buscam se completarem, crescerem juntos, e não simplesmente suprir carência afetiva alheia.

E o terceiro, ver um casal que não teve forças para passar por tudo isso, que mostraram para mim e para nosso grupo de amigos que é mais fácil desistir de um relacionamento do que lutar, que quando cada um olha para o que é importante para si mesmo e não para a vida de ambos não está construindo relacionamento nem cumplicidade, que quando não há perdão não há também continuidade, que quando não se escuta e não se dá o braço a torcer só se perde e nada se ganha, que se irritar com picuinhas é perda de tempo.

Eu sei que é difícil, que é um mantra que tem que ser repetido todo dia, mas temos que fazer como Zelia Gattai, esposa do querido Jorge Amado. Ambos viveram uma linda história de amor e companheirismo, e quando perguntaram a ela se ela não se irritava com a toalha molhada jogada (ou algo assim) ela só respondeu que não, que simplesmente pegaria a toalha e penduraria, que isso era tão pequeno em vista do que ele tinha de bom e do que fazia ela sentir. Lindo não? Sei que é difícil, mas eu prefiro passar pelas dificuldades e viver uma história assim do que sentar e dizer que é difícil. Como disse Nora Walker em B&S: “Eu aprendi na vida que você gasta muito mais energia e sofre muito mais tentando achar formas de negar os acontecimentos e enfrentar a realidade do que simplesmente enfrentá-la de uma vez.”

4 coment??rios

set 25 2009

Mudança de Planos

Publicado por em Casamento,Família,Filhos

Quem me conhece bem sabe que meu maior sonho é ser mãe. Sempre sonhei com isso. De pequena cuidava dos meus primos bebezinhos, sou louca por criança e elas loucas por mim, pois tenho muita paciência e amo de paixão.

Sempre sonhei com esse dia. E tá chegando a hora disso acontecer. No nosso planejamento familiar, incluímos filhos sim, mas queríamos fazer tudo “nos conformes”, ou seja, namoramos, casamos só quando tínhamos dinheiro, compramos apartamento e aí sim, tendo estabilidade financeira e profissional, partiríamos para a encomenda.

Sei que alguns vão dizer que para ter filho se dá um jeito, que é maravilhoso, etc… sei de tudo isso. Mas quem mora em SP, não tem NENHUM familiar na cidade e depende de salário para viver (não posso parar de trabalhar nunca), tem sim que avaliar bem o momento, pois na minha humilde opinião, filhos devem ser programados e mais do que tudo, os pais têm que estar preparados financeiramente e principalmente emocionalmente.

Então o sonho de ser mãe começou a se tornar realidade no ano passado, quando o casamento se aproximava. Meus planos era de após o casório, já na lua de mel, parar de tomar pílula e encomendar o baby. Mas obviamente, o casamento custou muito mais que imaginávamos. Então a decisão foi esperar um pouco mais, até estabilizarmos um pouco as contas e também encontrarmos um apto, já que morávamos em um de um dormitório apenas.

Quando foi em fevereiro deste ano, começamos a procurar apto e colocamos o nosso a venda, então decidimos parar com a pílula, pois não tínhamos expectativa de engravidar rápido, já que eu tomei quase 15 anos de pílula e nunca antes dela fui regulada na minha vida, então sabia que não seria de imediato, que teríamos tempo de procurar apto, comprar, financiamento, reforma, mudança, etc.

E foi o que aconteceu neste período. Estamos na fase da reforma, e estamos gastando muitooooooooooooooo. Meus hormônios todos bagunçados, não menstruei desde fevereiro, então imaginem quantas vezes eu não me imaginei grávida? Pois é, depois de mil testes clear blue (e quebrada com o preço dos mesmos), decepções e mais decepções (e o mundo engravidando ao meu redor), veio a obra. E a obra começou a cobrar a conta. E obviamente que bem maior do que esperávamos.

E aí, eu com as minhas minhocas ficamos conversando nos últimos dias. Estive quieta, ausente não só daqui mas em tudo. E tomei uma decisão. Vou adiar mais uma vez os planos de ser mãe. Vou voltar a tomar pílula pelo menos até fevereiro do ano que vem.

Neste meio tempo preciso emagrecer bastante, cuidar de mim, pois a razão dos meus hormônios desregulados é a obesidade. Enquanto eu não emagrecer, seja com ou sem pílula, não vou engravidar. Além disso, vamos ter tempo de terminar a reforma, se mudar e aos poucos ir mobiliando o apto, já que não temos mais dinheiro para nada, nem os armários vamos poder fazer até março do ano que vem. Então pensei muito e o meu desejo de ser mãe e curtir minha gravidez é tão grande que não quero que este momento mágico seja dividido com obras, dívidas, stress, etc..

Como tudo na minha vida demorou mais do que gostaria, isso não seria diferente. Vou esperar pelo momento certo, sei que ele existe e que quando planejamos e temos estrutura, tudo fica mais fácil.

Claro que fiquei triste e cada vez que eu vejo uma amiga minha engravidando, fico chateada, pensando em porque eu não tenho pai nem marido rico que pudessem me dar um apto pronto cheio de luxo, um carro e tudo mais como aconteceu com a maioria das minhas amigas, que só puderam engravidar pois a família bancou. Eu fico chateada sim, mas depois me lembro que tudo que tenho conquistei sozinha, e com certeza sou mais realizada e tenho muito mais motivo para ser orgulhosa de mim mesma. E pensando bem, nem é tanto tempo assim. Março já está aí, e logo logo estarei aqui contando para vocês que meu maior sonho virou realidade, tenho certeza.

Enquanto isso vou preparando meu corpicho, mente e bolso para esse momento tão esperado.

C’est la vie…

4 coment??rios

ago 23 2009

1 ano!

Publicado por em Casamento,Romance

0182

Carta ao meu amor.

Lindo, hoje completamos um ano de casados. Um ano que fizemos um festa para consagrar nosso amor, para realizarmos um sonho.

É verdade que nada mudou entre nós, já vivíamos como marido e mulher, sob o mesmo teto há mais de 3 anos. O que mudou foi o meu nome, que ganhou o seu. E vou te dizer que adorei ter o seu nome, apesar de ainda não ter me acostumado a ele. E você vive me recriminando quando alguém pergunta meu nome e eu digo o antigo… é a força do hábito meu lindo,  você vai ver que com o tempo eu acostumo.

Falando em tempo, ele está passando, e estamos deixando de ser jovenzinhos para vivarmos algo muito semelhante à primeira lembrança que temos de nossos pais, ou seja, adultos com responsabilidade.

Compramos nosso apê de gente grande, com mais do que um cômodo (rs), temos nosso carro, nossos empregos, nossas viagens e nossos planos… Ah, os planos, quem não os tem? E nós temos tantos não? E é por esta razão que nos damos tão bem, somos dois sonhadores… nosso sonho mais recente, é terminar o apê para encomendar o David, ou a Sarah, quem sabe? Será a concretização do nosso amor.

Sei que não somos perfeitos e enfrentamos em 2009 o pior ano no nosso relacionamento, sofremos (ambos) muito, muitas DRs, noites em claro, preocupação, vazio, solidão a dois… mas aprendemos (mais uma vez!) que faz parte do relacionamento, de duas pessoas que se amam… estamos em constante mudança, impossível não nos desentendermos e sofrermos. MAs o importante é sair de tudo isso fortalecido, com muito mais amor, e é assim que nos sentimos.

O mantra que levamos conosco é que o “amor não enche barriga, é necessário muito respeito e reconquistar a pessoa amada diariamente”. Às vezes nos esquecemos disso, mas não somos perfeitos, o importante é um sempre lembrar ao outro do caminho que devemos seguir juntos, sempre. Cumplicidade não tem preço.

Te amo, te desejo, te admiro, te anseio.

Que esse seja apenas o primeiro de muitos anos de comemoração. O importante é lembrarmos sempre que só depende de nós!

Beijos meu lindo, parabéns para nós!

Cynthia

PS: as fotos do fotógrafo estão aqui!

E tenho outro presente, o videozinho que passou no telão, mas infelizmente está sem som por causa dos copyrights do youtube. O fundo musical era a canção “A fuego lento” da Roxana.

4 coment??rios

fev 26 2009

Dando as caras por aí!

Publicado por em Casamento,Família,Trabalho

Oi pessoal como foram de carnaval?
Por aqui tudo calmo, fui para Santos na casa da sogra no domingo, crente que não ia pegar trânsito e acho que todo mundo teve a mesm idéia. Não fizemos nada no domingo, chegamos e almoçamos e ficamos de bobeira, e fomos nos deitar super cedo. Na segunda-feira fomos à praia e foi bem gostoso, e mesmo na sombra deu para pegar uma corzinha gostosa!

Na segunda-feira fiz 6 meses de casada. Nossa como passa rápido não? Nem parece que faz tanto tempo assim que vim aqui contar em detalhes para vocês né? Ai que gostoso foi esta etapa da vida! Agora começamos outra, a de construir nossa casinha e nossa família. Ontem fui fechar minha lista de presentes na Fastshop e fiquei lá durante 3 horas.. além de um atendente bem intencionado mas sem Q.I. e muitos produtos para escolher/trocar, o sistema deles não ajudava. Por fim troquei tudo que ganhei (com exceção de uma adega) numa TV + home teather, geladeira e fogão. Essas coisas são caras e eu tenho onde por… já todos os outros eletrodomésticos que tinha ganhado eu não teria onde colocar, e depois que me mudar eu compro aos poucos esses utensílios que são bem mais baratod

Não sei se estão acompanhando o feed do twitter/facebook que tem aí do lado direito do blog. Lá consigo atualizar direto do celular sem precisar de conexão wireless como o wordpress, então dá para ficar mais online! Aliás estou adorando brincar com o twitter e poder acompanhar mais de perto o dia-a-dia dos meus amigos. Se você tiver twitter, deixa no comentário o seu. Aqui você encontra o meu!

A dor de cabeça melhorou mas foi difícil. No sábado no final da tarde não aguentava mais e resolvi ir ao Pronto Socorro. Cheguei às 17:45 no Hospital 9 de Julho e só saí às 20:15! Foi um tal de passa com um, passa com outro, tava super rodada!!!! Hahahhaha, mas enfim, tirei chapa, passei por neuro, otorrino, clínico geral e o diagnóstico foi uma simples enxaqueca (simples para eles!). Tomei dipirona na veia e nada. Aí me deram um tal de tramal e esse resolveu um pouco. Só esse remédio demorei 45 minutos para tomar, afe! Saí de lá com uma receita na mão e fui na farmácia comprar o remédio que era para tomar em casa de dor. Até o farmacêutico assustou quando eu disse o nome do remédio, parece que ele é para quem tá com muita, muita, muita dor! EBA, é esse mesmo!!! rs…. o bixo é tão forte e rápido! Também pudera, é sublingual (use sua imaginação, rs!).

Mas estou melhor, e trabalhando de óculos escuros o tempo todo pois a claridade me mata e começa a doer!!!

Falando de scrap, não fiz nenhuma criação fora a daí de baixo, com a minha família. Mas durante todo esse tempo fiquei baixando acessórios e comprando outros kits para estar preparada para a onda de criatividade que uma hora vai bater em mim, sei que vai! Estou achando muitas coisas interessantes e de graça (FREEBIES), e sempre que puder vou trazer dicas para vocês de onde podem achar muitos freebies fofos!

Família Burin

Agora todo mundo junto fazendo pensamento positivo para a sogra de uma amiga querida que teve um derrame e está precisando de muita força para sair dessa! Apesar de sogra, ninguém quer ver o amor de sua vida sofrendo pela perda da SEGUNDA mulher mais importante da vida dele né? Então vamos orar!

Ah sabe o que mais? Tive avaliação de performance com meu chefe. Ele foi em grande parte injusto mas já esperava isso conhecendo a pessoa dele. A conclusão é que fiquei mais frustada e desmotivada ainda, mas vamos levando a vida em frente e fazendo o que nos é pedido. Vou melhorar nos quesitos onde fui mal avaliada e tocar o barco!

Ah, já ia esquecendo…. o regime! Que regime? No carnaval esqueci dele! Agora já me lembrei mas não tô sendo exemplar, mas estou sem pressa agora e estou desencanando desse assunto… veja bem, não estou desistindo, só não vou mais girar minha vida em função do meu peso e ficar mais ansiosa se não consigo emagrecer, deixa rolar!

E amanhã já é sexta, quer coisa melhor?

Nenhum coment??rio